Pular para o conteúdo principal

Pela primeira vez um ministro do governo Temer admite saída do PSDB da base alidada, mas votos para aprovação da reforma da previdência cria saia justa



Pela primeira vez um ministro do alto escalão do governo Temer, admitiu o desembarque do PSDB da base aliada. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha disse que o PSDB não estaria mais na base de sustentação do governo e não ver "constrangimento" do presidente Michel  Temer manter alguns ministros do partido. Atualmente, o governo Michel Temer conta com três ministros  tucanos, Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Luislinda Valois (Direitos Humanos). 

A antecipação de Padilha antes mesmo de uma comunicação oficial do PSDB, colocou o governo numa saia justa, já que a costura  de muitos  remendos é para  manter aliança com os tucanos para aprovar a reforma da previdência. Para isso, serão necessários dois turnos nas duas casas do Congresso. Só na Câmara dos Deputados, precisa pelo menos, 308 votos. O prazo é curto e a fala de Padilha deu combustível para o adiamento da reforma que se aprovada já  está com o texto reduzido. Na semana passada, o presidente da Câmara disse após reunião entre o presidente Michel Temer, líderes governistas que não valeria a pena pôr o tema na pauta sem a segurança dos votos necessários. E Temer nesses últimos meses,  tem se intensificado pessoalmente para reverter o pessimismo e garantir a aprovação ainda este ano. E que se o tema ficar para 2018, a chance de passar no Congresso ficará comprometida por causa do cronograma das eleições.

O PSDB que sabe que têm nas maõs os votos que o governo tanto precisa, conta com 46 deputados federais e 11 senadores e é a terceira maior bancada partidária no Congresso Nacional. A fala do ministro Padilha foi uma resposta e um tom mais duro ás declarações do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que, numa entrevista à Radio Bandeirantes na semana passada, ressaltou que sempre foi contra participar da gestão do presidente Temer. E também sinalizou que o desembarque finalmente pode ser concretizado, assim que assumir a presidência nacional do PSDB , previsto para a segunda semana de dezembro

O Palácio do Planalto tratou logo de desafazer um racha com os tucanos. Além do ministro Aloysio Nunes, o próprio presidente Temer, não confirmou o que disse Padilha. Acabando o presidente  indo contra o que disse o seu próprio ministro. Mas a afirmação do ministro chefe da Casa Civil,  veio na semana em que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez pressão para a saída  do governo  ao dizer que: ou " PSDB desembarca do governo, em dezembro, ou se embaralha com o PMDB e assume de vez o posto de coadjuvante na disputa". E também em que o presidente licenciado do PSDB, senador Aécio Neves disse ter chegado "o momento de o partido deixar o governo Temer. Um reposicionamento para ás eleições de 2018 e identidade do partido. Mas o PSDB tem defendido a pauta de reformas. E o senador mineiro tem se empenhado para ajudar o presidente com sua influência e articulação politica.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Semana curta em Brasília e poderes em atenção no STF e na Câmara que tentam colocar um ponto final em medidas cautelares para os demais

O olhos nesta semana curta em Brasília estão voltados para a Câmara dos Deputados que apresenta o parecer da denúncia contra o presidente Michel Temer e dos ministros, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da presidência), e o Supremo Tribunal Federal, que tem um grau de intensidade a analisar numa pauta de matéria penal sobre uma (ADI) Ação Direta de Inconstitucionalidade com pedido de medida cautelar, ajuizada pelos Partidos Progressista (PP), Social Cristão (PSC) e o Solidariedade (SD), com base dos arts. 312 e 319, caput, do Código de Processo Penal. 
De uma certa forma, os poderes no DF seguem com suas pautas, mas os resultados nas duas  casas,  ditam o rito de parlamentares e do próprio governo. Além do parecer na Câmara, para esta terça-feira (10), os deputados que tiveram sessões no plenário antecipadas devido ao feriado irão analisar entre os itens de pauta, o primeiro turno, de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece uma cota para…

Advogados de Lula entregam defesa prévia da ação do sítio de Atibaia alegando 'caráter político', falta de provas e pedido de 59 testemunhas que incluem Dilma e FHC

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entregaram nesta quarta-feira (24), na Justiça Federal, a defesa prévia sobre ação do sítio de Atibaia, alegando 'caráter político' e rejeição da denúncia  no pedido feito ao juiz Sérgio Moro. No documento de 75 páginas, eles disseram que denúncia que acusa o petista de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, seja rejeitada, negando que não é o dono do imóvel, alegando que não há provas ou indícios mínimos que respaldem a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF).

A defesa de Lula também criticou os moldes da denúncia, por se basear principalmente em delações premiadas. No documento protocolado os advogados também pediram que 59 testemunhas sejam intimadas, entre as dezenas de nomes, estão a do ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Dilma Roussef.

A defesa pediu ainda que se o juiz prosseguir com ação penal que seja aguardado o término do inquérito que tramita no STF, que apura se existiu uma organização cr…

Quem está errando mais?

A propaganda partidária do PSDB, veiculada nessa quinta-feira (17), admitindo que o partido “errou”, mostrou que o racha está crescendo, entre os cabeças pretas, que lideraram para á veiculação, de alguns veteranos que não agradaram da nova posição e o governo. 
Disse o partido:
"O PSDB sabe que é hora de assumir os seus erros. Acabamos aceitando como natural o fisiologismo, que é troca de favores individuais e vantagens pessoais em detrimento da verdadeira necessidade do cidadão brasileiro. Temos que revisar nossos erros. Temos que nos conectar com as pessoas. Erramos cada vez que cedemos ao jogo da velha política".
O ministro das Relações Exteriores e vice-presidente nacional da legenda, Aloysio Nunes (SP), usou as redes sociais para dizer que o programa de “um monumento à inépcia publicitária” e "um tiro no pé".
Mas a crise tucana, também evidenciou muito o  problema que o governo tem pela frente com o partido, que controla quatro ministérios (Cidades, Governo, R…