Pular para o conteúdo principal

Congresso da AMM com presença de pré-candidatos revela o tom das eleições de outubro

O painel com pré-candidatos, promovido pela Associação Mineira de Municípios (AMM), em seu 35º Congresso tem revelado curiosidades importantes que ditam um pouco o rítimo e o tom nas eleições de outubro. Pontuações que não se vê muito nos debates formais. Pelo cuidado e assessoramento acirrado. Ontem, por exemplo, caiu o que vem sendo defendido por um presidenciável.


Ciro Gomes (PDT), perdeu a linha e abandonou o evento sem falar com a imprensa, irritado com o tempo, formato de perguntas e respostas proposto pela coordenação do congresso de prefeitos. O que acabou confirmando que não tem nada de 'Ciro paz e amor', e sim, a velha fama de brigão. 

Já na participação dos pré-candidatos ao governo de Minas, ficou evidente uma aliança forte de praticamente todos os partidos presentes contra o governador Fernando Pimentel (PT-MG). Isso deu um aperitivo de como eles devem adotar os seus discursos. O modo velho de apontar erros para se chegar ao pleito oferecendo uma solução. Mas com uma definição clara, de tirar o PT do comando de MG. 

E o governador petista tem dado margem em todos os sentidos. E não comparecendo ao encontro, acabou virando alvo de adversários em seu próprio quintal, dando espaço para outsiders e veteranos, como o PSDB. Nesse contexto de um certo ninho da direita, o pré-candidato Antonio Anastasia - que vem afirmando maior aliança em Minas, após discursar  com toda sua inteligência e mestria, recebeu muitos aplausos e aproveitou para dizer que a hora de Minas voltar para os trilhos estava chegando. Deixando claro que vai compadecer da ausência do maior adversário para gerar outros frutos durante a campanha. 

O motivo da ausência do governador  não foi um álibi qualquer. Era uma agenda importante para o governo de Minas, - ainda mais em ano eleitoral, pois o motivo se tratava da saúde financeira do Estado, como foi informado. Mas a tentativa de evitar um desgaste, ficou configurada na visão dos postulantes a cadeira que hoje ocupa o petista, como o único que não participou do encontro por medo do debate.

Nada bom para Pimentel e para o  seu partido. Na semana passada, alguns membros da cúpula do PT, confirmaram o nome dele na disputa pela reeleição, no lançamento oficial da pré -candidatura do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT), em um evento em Contagem-MG. Assim como nome da ex-presidente Dilma Rousseff na busca por uma cadeira no Senado. E uma estratégia do PT aqui em Minas no lançamento, disse o deputado Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara.


Tanto no lançamento oficial, como no evento da AMM, Lula que está preso em Curitiba-PR, pela Lava Jato, enviou uma carta. No qual foi representado no painel da associação pelo deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG). Após entregar a carta de compromissos de Lula aos organizadores do evento, Lopes foi vaiado no final de seu discurso. 

Na entrevista no segundo e último dia do evento (20), um  ex-aliado  do ausente Pimentel,  chamou atenção com os problemas recorrentes da gestão petista com o escalonamento de pagamentos. Vale lembrar que PT e PMDB, hoje MDB fizeram uma aliança em 2014 que elegeu Fernando Pimentel ao governo de Minas.

O vice-governador Antônio Andrade (MDB), também pré-candidato, rompido com Pimentel desde 2016, além de dizer que faltou 'coragem' do governador de participar do Congresso " nesta quarta-feira,  porque (aqui) ele seria vaiado", falou que o pagamento do secretariado não estava atrasaso, principalmente aqueles que ganham 60 mil por mês.
Não vou nem falar da lista que vem sendo analisada para não alugar o assunto.

E para finalizar todo silêncio do governador petista, interrompido apenas por vaias a um deputado, que sozinho não fez verão,  a dívida do governo do Estado com os municípios mineiros foi tema principal entre os prefeitos no último dia do Congresso.  Num telão interativo,  indicando o atraso dos repasses estaduais, como os relativos a ICMS, IPVA e transporte escolar, para cada cidade. Ecoou a pergunta deixada ontem pelo presidenciável Rodrigo Pacheco  (DEM) ao governo de Minas Onde está o dinheiro arrecadado  dos impostos?

Será que evitar um desgaste foi a melhor saída para o governador mineiro? Daqui pra frente é o que vamos ver. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Juiz Sergio Moro condena Lula; mas conjuntos de elementos se sustenta mesmo com depoimento de Léo Pinheiro

A sentença de 9 anos e seis meses de prisão com direito a responder em liberdade, proferida pelo juiz federal Sérgio Moro – que condenou o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira (12), referente ao processo do triplex do Guarujá (SP), demorou menos um ano, desde que o Ministério Público Federal (MPF) ofereceu à denúncia com processo aberto pela Justiça Federal do Paraná (JFPR), no dia 19 de setembro de 2016.
A peça apresentada pelo MPF à Justiça do Federal do Paraná, trouxe uma denúncia de 149 páginas, protocolada também numa quarta-feira, com mais de um terço dedicado à contextualização política (e nota pé sem efeito de denúncia), que foi desde à eleição do petista ao mensalão. O "grande responsável" pelo esquema, centralizado no power point dos procuradores da Lava Jato, elaborado para explicar os motivos da grave  denúncia -- ganhou notoriedade também nas críticas pelo tom político que também foi à coletiva.
O contexto para justificar o paga…

Moro aceita o convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça, mas com base nos 12 pacotes com as novas medidas contra corrupção o STF pode esperar?

O convite aceito pelo Juiz Sérgio Moro para comandar o Ministério da Justiça, vem com um compromisso implícito de tão logo, assim que surgir uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), ser  indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que no ano que vem quer o magistrado em sua equipe. Mas o sim do juiz de Curitiba contradiz  uma decisão já tomada por ele mesmo. E da  própria tese tão defendida. Diante de todo contexto no qual esteve à frente nos últimos anos, aceitar ir para política -  fragiliza ainda mais a imparcialidade já questionada de quem participou de uma operação tão importante. A Lava Jato evidenciou um esquema de corrupção que assola esse país há décadas. Moro que tornou um espécie de garoto propaganda do combate à corrupção,  tem debaixo dos braços o livro que pode ter sido o seu de cabeceira, ou ainda seja, já que ele foi junto ao encontro com o Capitão eleito para os ajustes de sua ida para Brasília.   Trata-se do  livro de 12 pacotes com as novas medidas …

Diplomação de Zema, e demais eleitos por Minas é suspensa após briga com socos entre deputados

A diplomação dos eleitos em Minas Gerais nesta quarta-feira  (19), foi marcada por confusão. Deputados partiram para agressão quando estavam sendo chamados para receber os certificados. A troca de socos foi entre os deputados federais Rogério Corrêa (PT) e Cabo Junio Amaral (PSL). A briga começou após o parlamentar petista erguer uma placa com os dizeres "Lula Livre". 
Na tarde de hoje, o ministro Marco Aurélio Mello do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a soltura de todos os presos condenados em 2¤ Istância de justiça.  A defesa do ex-presidente Lula; preso em Curitiba numa condenação pela Lava Jato, chegou a entrar com um pedido de soltura na 12¤ Vara Federal do Paraná. Mas no início da noite, o presidente do Suprema Corte,  Dias Tofolli, derrubou a decisão do ministro em caráter liminar. Pelo pedido temporario, a decisão de Mello fica suspensa "até o colegiado maior aprecie a matéria de forma definida, já pautada para o dia 10 de abril  do próximo ano judici…