Pular para o conteúdo principal

Congresso da AMM com presença de pré-candidatos revela o tom das eleições de outubro

O painel com pré-candidatos, promovido pela Associação Mineira de Municípios (AMM), em seu 35º Congresso tem revelado curiosidades importantes que ditam um pouco o rítimo e o tom nas eleições de outubro. Pontuações que não se vê muito nos debates formais. Pelo cuidado e assessoramento acirrado. Ontem, por exemplo, caiu o que vem sendo defendido por um presidenciável.


Ciro Gomes (PDT), perdeu a linha e abandonou o evento sem falar com a imprensa, irritado com o tempo, formato de perguntas e respostas proposto pela coordenação do congresso de prefeitos. O que acabou confirmando que não tem nada de 'Ciro paz e amor', e sim, a velha fama de brigão. 

Já na participação dos pré-candidatos ao governo de Minas, ficou evidente uma aliança forte de praticamente todos os partidos presentes contra o governador Fernando Pimentel (PT-MG). Isso deu um aperitivo de como eles devem adotar os seus discursos. O modo velho de apontar erros para se chegar ao pleito oferecendo uma solução. Mas com uma definição clara, de tirar o PT do comando de MG. 

E o governador petista tem dado margem em todos os sentidos. E não comparecendo ao encontro, acabou virando alvo de adversários em seu próprio quintal, dando espaço para outsiders e veteranos, como o PSDB. Nesse contexto de um certo ninho da direita, o pré-candidato Antonio Anastasia - que vem afirmando maior aliança em Minas, após discursar  com toda sua inteligência e mestria, recebeu muitos aplausos e aproveitou para dizer que a hora de Minas voltar para os trilhos estava chegando. Deixando claro que vai compadecer da ausência do maior adversário para gerar outros frutos durante a campanha. 

O motivo da ausência do governador  não foi um álibi qualquer. Era uma agenda importante para o governo de Minas, - ainda mais em ano eleitoral, pois o motivo se tratava da saúde financeira do Estado, como foi informado. Mas a tentativa de evitar um desgaste, ficou configurada na visão dos postulantes a cadeira que hoje ocupa o petista, como o único que não participou do encontro por medo do debate.

Nada bom para Pimentel e para o  seu partido. Na semana passada, alguns membros da cúpula do PT, confirmaram o nome dele na disputa pela reeleição, no lançamento oficial da pré -candidatura do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT), em um evento em Contagem-MG. Assim como nome da ex-presidente Dilma Rousseff na busca por uma cadeira no Senado. E uma estratégia do PT aqui em Minas no lançamento, disse o deputado Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara.


Tanto no lançamento oficial, como no evento da AMM, Lula que está preso em Curitiba-PR, pela Lava Jato, enviou uma carta. No qual foi representado no painel da associação pelo deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG). Após entregar a carta de compromissos de Lula aos organizadores do evento, Lopes foi vaiado no final de seu discurso. 

Na entrevista no segundo e último dia do evento (20), um  ex-aliado  do ausente Pimentel,  chamou atenção com os problemas recorrentes da gestão petista com o escalonamento de pagamentos. Vale lembrar que PT e PMDB, hoje MDB fizeram uma aliança em 2014 que elegeu Fernando Pimentel ao governo de Minas.

O vice-governador Antônio Andrade (MDB), também pré-candidato, rompido com Pimentel desde 2016, além de dizer que faltou 'coragem' do governador de participar do Congresso " nesta quarta-feira,  porque (aqui) ele seria vaiado", falou que o pagamento do secretariado não estava atrasaso, principalmente aqueles que ganham 60 mil por mês.
Não vou nem falar da lista que vem sendo analisada para não alugar o assunto.

E para finalizar todo silêncio do governador petista, interrompido apenas por vaias a um deputado, que sozinho não fez verão,  a dívida do governo do Estado com os municípios mineiros foi tema principal entre os prefeitos no último dia do Congresso.  Num telão interativo,  indicando o atraso dos repasses estaduais, como os relativos a ICMS, IPVA e transporte escolar, para cada cidade. Ecoou a pergunta deixada ontem pelo presidenciável Rodrigo Pacheco  (DEM) ao governo de Minas Onde está o dinheiro arrecadado  dos impostos?

Será que evitar um desgaste foi a melhor saída para o governador mineiro? Daqui pra frente é o que vamos ver. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Semana curta em Brasília e poderes em atenção no STF e na Câmara que tentam colocar um ponto final em medidas cautelares para os demais

O olhos nesta semana curta em Brasília estão voltados para a Câmara dos Deputados que apresenta o parecer da denúncia contra o presidente Michel Temer e dos ministros, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da presidência), e o Supremo Tribunal Federal, que tem um grau de intensidade a analisar numa pauta de matéria penal sobre uma (ADI) Ação Direta de Inconstitucionalidade com pedido de medida cautelar, ajuizada pelos Partidos Progressista (PP), Social Cristão (PSC) e o Solidariedade (SD), com base dos arts. 312 e 319, caput, do Código de Processo Penal. 
De uma certa forma, os poderes no DF seguem com suas pautas, mas os resultados nas duas  casas,  ditam o rito de parlamentares e do próprio governo. Além do parecer na Câmara, para esta terça-feira (10), os deputados que tiveram sessões no plenário antecipadas devido ao feriado irão analisar entre os itens de pauta, o primeiro turno, de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece uma cota para…

Teoria da jabuticaba: foi o que se viu na tribuna do Senado Federal nas justificativas do adiamento do futuro do senador Aécio Neves na Casa

Já ouviu falar na teoria da jabuticaba? No mundo acadêmico ela é bastante discutida e foi desenvolvida pelo escritor e diplomata Paulo Roberto de Almeida aqui no Brasil. Consiste em propor, defender e sustentar, contra qualquer outra evidência lógica em sentido contrário. As soluções prologam os efeitos eleitorais. Aqui o preço de uma denúncia.

Se a lógica mostra uma coisa a defesa é outra. Foi o que vimos ontem no plenário do Senado Federal. A teoria pode ser vista nos argumentos da maioria dos senadores que terminou com aprovação por 50 a 21 do requerimento já acordado, para que votação do afastamento e cumprimento de medidas cautelares, imposta ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), pela primeira turma do Supremo Tribunal Federal (STF), seja apreciada na Casa no dia 17 de outubro, após os onze ministros do STF, analisar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), no próximo dia 11. O que pode beneficiar o senador tucano. Essa ADI defende justamente a necessidade de medidas cautelare…

Na véspera da votação na Câmara da segunda denúncia, Governo cela acordo com jantar farto, regado com leitoa à pururuca, cachaça e perda de controle

O dia é de decisão para o governo que tem trabalhado nas últimas semanas para arquivar a segunda denúncia da Procuradoria-geral da República (PGR) e seguir com as pautas de reforma. Para isso, o Planalto nomeou cargos represados, acelerou a liberação de recursos para o empenho de emendas parlamentares obrigatórias, tentou receita com o novo Refis e a mudou  o combate ao trabalho escravo, portaria muito criticada. Além da  perda de arrecadação com a desistência da privatização do aeroporto de Congonhas. O Governo saiu do negócio para agradar ao PR do ex-deputado e ex-presidiário Valdemar Costa Neto, que comanda o setor e uma bancada de mais de 30 deputados. Buscar uma agenda positiva e manter uma certa governabilidade, foi com investimento alto, muitos agrados, reuniões e jantares. O de ontem, véspera da votação, foi na casa do vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG), em Brasília.  Comilança regada a galinhada, leitoa a pururuca, doce de leite e cachaça, segundo à im…