Pular para o conteúdo principal

Congresso da AMM com presença de pré-candidatos revela o tom das eleições de outubro

O painel com pré-candidatos, promovido pela Associação Mineira de Municípios (AMM), em seu 35º Congresso tem revelado curiosidades importantes que ditam um pouco o rítimo e o tom nas eleições de outubro. Pontuações que não se vê muito nos debates formais. Pelo cuidado e assessoramento acirrado. Ontem, por exemplo, caiu o que vem sendo defendido por um presidenciável.


Ciro Gomes (PDT), perdeu a linha e abandonou o evento sem falar com a imprensa, irritado com o tempo, formato de perguntas e respostas proposto pela coordenação do congresso de prefeitos. O que acabou confirmando que não tem nada de 'Ciro paz e amor', e sim, a velha fama de brigão. 

Já na participação dos pré-candidatos ao governo de Minas, ficou evidente uma aliança forte de praticamente todos os partidos presentes contra o governador Fernando Pimentel (PT-MG). Isso deu um aperitivo de como eles devem adotar os seus discursos. O modo velho de apontar erros para se chegar ao pleito oferecendo uma solução. Mas com uma definição clara, de tirar o PT do comando de MG. 

E o governador petista tem dado margem em todos os sentidos. E não comparecendo ao encontro, acabou virando alvo de adversários em seu próprio quintal, dando espaço para outsiders e veteranos, como o PSDB. Nesse contexto de um certo ninho da direita, o pré-candidato Antonio Anastasia - que vem afirmando maior aliança em Minas, após discursar  com toda sua inteligência e mestria, recebeu muitos aplausos e aproveitou para dizer que a hora de Minas voltar para os trilhos estava chegando. Deixando claro que vai compadecer da ausência do maior adversário para gerar outros frutos durante a campanha. 

O motivo da ausência do governador  não foi um álibi qualquer. Era uma agenda importante para o governo de Minas, - ainda mais em ano eleitoral, pois o motivo se tratava da saúde financeira do Estado, como foi informado. Mas a tentativa de evitar um desgaste, ficou configurada na visão dos postulantes a cadeira que hoje ocupa o petista, como o único que não participou do encontro por medo do debate.

Nada bom para Pimentel e para o  seu partido. Na semana passada, alguns membros da cúpula do PT, confirmaram o nome dele na disputa pela reeleição, no lançamento oficial da pré -candidatura do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT), em um evento em Contagem-MG. Assim como nome da ex-presidente Dilma Rousseff na busca por uma cadeira no Senado. E uma estratégia do PT aqui em Minas no lançamento, disse o deputado Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara.


Tanto no lançamento oficial, como no evento da AMM, Lula que está preso em Curitiba-PR, pela Lava Jato, enviou uma carta. No qual foi representado no painel da associação pelo deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG). Após entregar a carta de compromissos de Lula aos organizadores do evento, Lopes foi vaiado no final de seu discurso. 

Na entrevista no segundo e último dia do evento (20), um  ex-aliado  do ausente Pimentel,  chamou atenção com os problemas recorrentes da gestão petista com o escalonamento de pagamentos. Vale lembrar que PT e PMDB, hoje MDB fizeram uma aliança em 2014 que elegeu Fernando Pimentel ao governo de Minas.

O vice-governador Antônio Andrade (MDB), também pré-candidato, rompido com Pimentel desde 2016, além de dizer que faltou 'coragem' do governador de participar do Congresso " nesta quarta-feira,  porque (aqui) ele seria vaiado", falou que o pagamento do secretariado não estava atrasaso, principalmente aqueles que ganham 60 mil por mês.
Não vou nem falar da lista que vem sendo analisada para não alugar o assunto.

E para finalizar todo silêncio do governador petista, interrompido apenas por vaias a um deputado, que sozinho não fez verão,  a dívida do governo do Estado com os municípios mineiros foi tema principal entre os prefeitos no último dia do Congresso.  Num telão interativo,  indicando o atraso dos repasses estaduais, como os relativos a ICMS, IPVA e transporte escolar, para cada cidade. Ecoou a pergunta deixada ontem pelo presidenciável Rodrigo Pacheco  (DEM) ao governo de Minas Onde está o dinheiro arrecadado  dos impostos?

Será que evitar um desgaste foi a melhor saída para o governador mineiro? Daqui pra frente é o que vamos ver. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Juiz Sergio Moro condena Lula; mas conjuntos de elementos se sustenta mesmo com depoimento de Léo Pinheiro

A sentença de 9 anos e seis meses de prisão com direito a responder em liberdade, proferida pelo juiz federal Sérgio Moro – que condenou o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira (12), referente ao processo do triplex do Guarujá (SP), demorou menos um ano, desde que o Ministério Público Federal (MPF) ofereceu à denúncia com processo aberto pela Justiça Federal do Paraná (JFPR), no dia 19 de setembro de 2016.
A peça apresentada pelo MPF à Justiça do Federal do Paraná, trouxe uma denúncia de 149 páginas, protocolada também numa quarta-feira, com mais de um terço dedicado à contextualização política (e nota pé sem efeito de denúncia), que foi desde à eleição do petista ao mensalão. O "grande responsável" pelo esquema, centralizado no power point dos procuradores da Lava Jato, elaborado para explicar os motivos da grave  denúncia -- ganhou notoriedade também nas críticas pelo tom político que também foi à coletiva.
O contexto para justificar o paga…

Entenda um pouco mais sobre o auxílio-moradia que subsiste a todos os poderes da União

Muito se tem questionado sobre o auxílio-moradia para ocupantes de cargos públicos. Este benefício tem como origem da transferência em 1960 da Capital Federal (Rio de Janeiro) para Brasília (DF). Na época, deputados e senadores verbalizaram a falta de condições financeiras para mudança, moradia e viver na cidade devido aos custos da transferência. Foi então que foram destinados a eles (criado por eles), os apartamentos funcionais. E o Estado passou ser o responsável para prover as moradias para os servidores que não fossem originalmente do município em que trabalhavam. E como efeito cascata, o benefício se estendeu aos militares e juízes. 

No portal da Câmara dos Deputados, o auxílio-moradia é o reembolso das despesas com estada ou moradia no Distrito Federal. Os Deputados que não ocupam um dos imóveis funcionais da Câmara têm direito a este auxílio e devem comprovar suas despesas por meio de notas fiscais ou recibos.
Uma matéria publicada neste domingo (4), na Folha de SP, mostrou que …

Eleições 2018 - Cálculo eleitoral

Na última pesquisa do Instituto Datafolha, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pontuou 1% das intenções de votos. Um sinalizador  que deve ser levado em conta diante das combinações. 

O cenário definitivo de quem vai disputar á presidência da República conheceremos em abril, mas já é possível ver dos que não confirmaram uma pré-candidatura, o que vem sendo revelado na disposição da luta pela vaga no partido. Claro que  combinações e muita articulação política, contam sempre, principalmente em ano eleitoral. E como muitos adotam o auxílio das pesquisas, afim de conquistar a confiança de seu eleitorado com suas estratégias de campanha, dados também são encomendados. 

Maia é cotado como possível candidato do DEM à Presidência. E não é de hoje que seu nome vem sendo ventilado. Caso não confirme, deve vir como deputado-federal, no qual, inclui neste cenário uma nova disputa para continuar no comando da Câmara. 

Nesta semana, em um evento com empresários em SP, Maia disse que a &…