Pular para o conteúdo principal

Moro aceita o convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça, mas com base nos 12 pacotes com as novas medidas contra corrupção o STF pode esperar?

O convite aceito pelo Juiz Sérgio Moro para comandar o Ministério da Justiça, vem com um compromisso implícito de tão logo, assim que surgir uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), ser  indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que no ano que vem quer o magistrado em sua equipe.
Mas o sim do juiz de Curitiba contradiz  uma decisão já tomada por ele mesmo. E da  própria tese tão defendida. Diante de todo contexto no qual esteve à frente nos últimos anos, aceitar ir para política -  fragiliza ainda mais a imparcialidade já questionada de quem participou de uma operação tão importante. A Lava Jato evidenciou um esquema de corrupção que assola esse país há décadas. Moro que tornou um espécie de garoto propaganda do combate à corrupção,  tem debaixo dos braços o livro que pode ter sido o seu de cabeceira, ou ainda seja, já que ele foi junto ao encontro com o Capitão eleito para os ajustes de sua ida para Brasília.  
Trata-se do  livro de 12 pacotes com as novas medidas contra a corrupção, elaboradas sob a coordenação da Fundação Getúlio Vargas e da Transparência Internacional.

Mas veja que ironia:

No sexto capítulo, que pontua a “investidura e independência de agentes públicos, para assegurar transparência na seleção de ministros do STF”. O próprio texto “veda a indicação de quem tenha, nos quatro anos anteriores, ocupado mandato   eletivo federal ou cargo de Procurador-Geral da República, Advogado-Geral da União ou ministro de Estado.

Será que Moro vai voltar atrás ou existe a possibilidade de excluir parte do texto? Ou o STF pode esperar?!  O tempo tem a resposta. Mas tem  procurador com ela na ponta da língua.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Juiz Sergio Moro condena Lula; mas conjuntos de elementos se sustenta mesmo com depoimento de Léo Pinheiro

A sentença de 9 anos e seis meses de prisão com direito a responder em liberdade, proferida pelo juiz federal Sérgio Moro – que condenou o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira (12), referente ao processo do triplex do Guarujá (SP), demorou menos um ano, desde que o Ministério Público Federal (MPF) ofereceu à denúncia com processo aberto pela Justiça Federal do Paraná (JFPR), no dia 19 de setembro de 2016.
A peça apresentada pelo MPF à Justiça do Federal do Paraná, trouxe uma denúncia de 149 páginas, protocolada também numa quarta-feira, com mais de um terço dedicado à contextualização política (e nota pé sem efeito de denúncia), que foi desde à eleição do petista ao mensalão. O "grande responsável" pelo esquema, centralizado no power point dos procuradores da Lava Jato, elaborado para explicar os motivos da grave  denúncia -- ganhou notoriedade também nas críticas pelo tom político que também foi à coletiva.
O contexto para justificar o paga…

Entenda um pouco mais sobre o auxílio-moradia que subsiste a todos os poderes da União

Muito se tem questionado sobre o auxílio-moradia para ocupantes de cargos públicos. Este benefício tem como origem da transferência em 1960 da Capital Federal (Rio de Janeiro) para Brasília (DF). Na época, deputados e senadores verbalizaram a falta de condições financeiras para mudança, moradia e viver na cidade devido aos custos da transferência. Foi então que foram destinados a eles (criado por eles), os apartamentos funcionais. E o Estado passou ser o responsável para prover as moradias para os servidores que não fossem originalmente do município em que trabalhavam. E como efeito cascata, o benefício se estendeu aos militares e juízes. 

No portal da Câmara dos Deputados, o auxílio-moradia é o reembolso das despesas com estada ou moradia no Distrito Federal. Os Deputados que não ocupam um dos imóveis funcionais da Câmara têm direito a este auxílio e devem comprovar suas despesas por meio de notas fiscais ou recibos.
Uma matéria publicada neste domingo (4), na Folha de SP, mostrou que …

Eleições 2018 - Cálculo eleitoral

Na última pesquisa do Instituto Datafolha, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pontuou 1% das intenções de votos. Um sinalizador  que deve ser levado em conta diante das combinações. 

O cenário definitivo de quem vai disputar á presidência da República conheceremos em abril, mas já é possível ver dos que não confirmaram uma pré-candidatura, o que vem sendo revelado na disposição da luta pela vaga no partido. Claro que  combinações e muita articulação política, contam sempre, principalmente em ano eleitoral. E como muitos adotam o auxílio das pesquisas, afim de conquistar a confiança de seu eleitorado com suas estratégias de campanha, dados também são encomendados. 

Maia é cotado como possível candidato do DEM à Presidência. E não é de hoje que seu nome vem sendo ventilado. Caso não confirme, deve vir como deputado-federal, no qual, inclui neste cenário uma nova disputa para continuar no comando da Câmara. 

Nesta semana, em um evento com empresários em SP, Maia disse que a &…