Pular para o conteúdo principal

Os bastidores da política revelam muita coisa, até um intervenção federal

O governo federal deu pistas de que poderia pedir uma intervenção de segurança pública no Rio de Janeiro, com a entrevista do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB), um dia antes do anúncio no qual abordou o tema de segurança pública. Sobre os questionamentos de que a reforma mais importante do governo Temer estava perdendo força, a da previdência, ao justificar que o governo não tinha desistido da reforma ele chegou a falar na criação de um “óbice jurídico para a continuação da tramitação, para a evolução da discussão e consequente aprovação da reforma”.

Na sexta-feira (16), quando o presidente Michel Temer decidiu pela intervenção federal, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que quando o governo tivesse os votos necessários para aprovar a reforma, Temer revogaria o decreto de intervenção e entraria em vigor no Rio uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ampliada. A votação foi ao plenário da Câmara dos Deputados, começando pontualmente ás 19 horas, como estava previsto com quórum necessário para abertura dos trabalhos, 257 parlamentares. Depois de mais de 6 horas de discussão, a Câmara dos confirmou, já na madrugada de terça-feira (20), a intervenção federal. O decreto assinado pelo presidente Michel Temer teve 340 votos favoráveis, 72 votos contrários e 1 abstenção. A relatora da proposta, deputada Laura Carneiro (PMDB-RJ), incluiu duas sugestões ao Poder Executivo em seu parecer. Ela pediu que o governo federal apresente recursos federais em caráter continuado, a serem usados na segurança pública e nas áreas de assistência social. 

O texto seguiu para o Senado Federal na forma do Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 886/18. Por lá, 
o Plenário aprovou na terça-feira, dia (20), em regime de urgência, o PDS 4/2018 que referendou o Decreto 9.288/2018, da Presidência da República, determinando intervenção federal no setor de segurança do estado Carioca. A proposta foi aprovada com 55 votos favoráveis, 13 contrários e uma abstenção. Com a promulgação do presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira. O relator da matéria, senador Eduardo Lopes (PRB-RJ), defendeu a intervenção e afirmou que a situação da segurança pública no Rio de Janeiro é muito grave, justificando a necessidade de uma ação mais efetiva do governo federal. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), criticou a deixão. Para ela, não houve critério para a intervenção na segurança no Rio de Janeiro, uma vez que há estados com maior índice de criminalidade. 
A intervenção já está em vigor desde 16 de fevereiro com a publicação do decreto no Diário Oficial da União (DOU). O documento determina que a medida será mantida até 31 de dezembro deste ano.

A media atabalhoada pegou muitos parlamentares e até da base do governo de de surpresa. Agora, com o projeto da reforma da previdência fora do radar, o objetivo é voltar as pautas de segurança pública. Como foi anunciado na volta dos trabalhos no Congresso no último dia 5. E vale lembrar que o ritmo das votações já começa a ser afetado pela campanha para as eleições de outubro. Com o decreto de intervenção em vigor, Proposta de Emenda à Constituição (PEC) não podem ser votadas no Congresso. Como a da reforma da Previdência. Uma nova agenda se abre com o decreto da intervenção na segurança pública no Rio de Janeiro. E o que deve trabalhar o governo este ano. 

Com a pauta trancada pela intervenção, a retomada dos trabalhos no Congresso que dará destaque os temas ligados à segurança pública, será embalada também com o ritmo das votações afetadas pela campanha para as eleições de outubro.




Com: agência da Câmara e Senado Federal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Semana curta em Brasília e poderes em atenção no STF e na Câmara que tentam colocar um ponto final em medidas cautelares para os demais

O olhos nesta semana curta em Brasília estão voltados para a Câmara dos Deputados que apresenta o parecer da denúncia contra o presidente Michel Temer e dos ministros, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da presidência), e o Supremo Tribunal Federal, que tem um grau de intensidade a analisar numa pauta de matéria penal sobre uma (ADI) Ação Direta de Inconstitucionalidade com pedido de medida cautelar, ajuizada pelos Partidos Progressista (PP), Social Cristão (PSC) e o Solidariedade (SD), com base dos arts. 312 e 319, caput, do Código de Processo Penal. 
De uma certa forma, os poderes no DF seguem com suas pautas, mas os resultados nas duas  casas,  ditam o rito de parlamentares e do próprio governo. Além do parecer na Câmara, para esta terça-feira (10), os deputados que tiveram sessões no plenário antecipadas devido ao feriado irão analisar entre os itens de pauta, o primeiro turno, de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece uma cota para…

A falta de políticas públicas e as desigualdades ajudam também muitos Antônios a subirem os morros e voltarem como um 'Nem'; vivo ou morto

A matéria é de 2016 e tem como base um personagem da vida real. Ou, vários deles. Está no livro contando a história de um traficante que retrata também como o tráfico abraça aqueles que estão em vulnerabilidade e todos os demais que não têm perspectiva e oportunidade. Podemos inserir neste mundo duas características da sociologia: a coercitividade e exterioridade que é praticada no mundo do tráfico muito bem. E com a ausência de políticas públicas e educação a 'influência coercitiva' se prolifera. 
A história do Antônio o 'Nem da Rocinha' se confunde com a de tantos jovens que se perdem no mundo do tráfico pelas mazelas da estratificação social. Fenômeno de várias proeminências. Não se faz aqui uma justificativa da escolha errada. Mas sim, a de como as provocações do cotidiano desses jovens no convite diário para trilhar esse caminho fatal, têm empurrões cada vez mais fortes. Os números estão aí para contextualizar. Os fatos sociais deste século justificam então o pa…

Operação "Tesouro Perdido" deflagrada pela PF revela a maior apreensão de dinheiro em espécie da história do Brasil, valor total foi de 51 milhões, atribuído a ex-ministro Geddel

A operação deflagrada pela Polícia Federal ontem (5), após dados coletados nas últimas fases da Operação "Cui Bono", (terceira nesta fase e braço da Lava-Jato) que investiga desvios na Caixa Econômica Federal,  revelou a maior quantia em espécie já apreendida na história do Brasil. Foram  mais de 15 horas contabilizando as cifras, com o valor final  vindo  à tona já na madrugada desta quarta-feira (6), num total de: R$ 51.030,866, 40. (cinquenta e um milhões, trinta mil, oitocentos e sessenta e seis reais e quarenta centavos). Sendo: R$ 42.643,500,00 (Quarenta e dois milhões, seiscentos e quarenta e três mil e quinhentos reais) e US$ 2.688, 000,00 (dois milhões, seiscentos e oitenta e oito mil dólares americanos). 

As cifras milionárias em espécie  foram atribuídas ao ex-ministro, Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) na terceira fase da operação. O dinheiro vivo   estava escondido  em um apartamento em area nobre de Salvador, no bairro da Graça, acoplados em  oito malas e seis caixas…