Pular para o conteúdo principal

Os bastidores da política revelam muita coisa, até um intervenção federal

O governo federal deu pistas de que poderia pedir uma intervenção de segurança pública no Rio de Janeiro, com a entrevista do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB), um dia antes do anúncio no qual abordou o tema de segurança pública. Sobre os questionamentos de que a reforma mais importante do governo Temer estava perdendo força, a da previdência, ao justificar que o governo não tinha desistido da reforma ele chegou a falar na criação de um “óbice jurídico para a continuação da tramitação, para a evolução da discussão e consequente aprovação da reforma”.

Na sexta-feira (16), quando o presidente Michel Temer decidiu pela intervenção federal, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que quando o governo tivesse os votos necessários para aprovar a reforma, Temer revogaria o decreto de intervenção e entraria em vigor no Rio uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ampliada. A votação foi ao plenário da Câmara dos Deputados, começando pontualmente ás 19 horas, como estava previsto com quórum necessário para abertura dos trabalhos, 257 parlamentares. Depois de mais de 6 horas de discussão, a Câmara dos confirmou, já na madrugada de terça-feira (20), a intervenção federal. O decreto assinado pelo presidente Michel Temer teve 340 votos favoráveis, 72 votos contrários e 1 abstenção. A relatora da proposta, deputada Laura Carneiro (PMDB-RJ), incluiu duas sugestões ao Poder Executivo em seu parecer. Ela pediu que o governo federal apresente recursos federais em caráter continuado, a serem usados na segurança pública e nas áreas de assistência social. 

O texto seguiu para o Senado Federal na forma do Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 886/18. Por lá, 
o Plenário aprovou na terça-feira, dia (20), em regime de urgência, o PDS 4/2018 que referendou o Decreto 9.288/2018, da Presidência da República, determinando intervenção federal no setor de segurança do estado Carioca. A proposta foi aprovada com 55 votos favoráveis, 13 contrários e uma abstenção. Com a promulgação do presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira. O relator da matéria, senador Eduardo Lopes (PRB-RJ), defendeu a intervenção e afirmou que a situação da segurança pública no Rio de Janeiro é muito grave, justificando a necessidade de uma ação mais efetiva do governo federal. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), criticou a deixão. Para ela, não houve critério para a intervenção na segurança no Rio de Janeiro, uma vez que há estados com maior índice de criminalidade. 
A intervenção já está em vigor desde 16 de fevereiro com a publicação do decreto no Diário Oficial da União (DOU). O documento determina que a medida será mantida até 31 de dezembro deste ano.

A media atabalhoada pegou muitos parlamentares e até da base do governo de de surpresa. Agora, com o projeto da reforma da previdência fora do radar, o objetivo é voltar as pautas de segurança pública. Como foi anunciado na volta dos trabalhos no Congresso no último dia 5. E vale lembrar que o ritmo das votações já começa a ser afetado pela campanha para as eleições de outubro. Com o decreto de intervenção em vigor, Proposta de Emenda à Constituição (PEC) não podem ser votadas no Congresso. Como a da reforma da Previdência. Uma nova agenda se abre com o decreto da intervenção na segurança pública no Rio de Janeiro. E o que deve trabalhar o governo este ano. 

Com a pauta trancada pela intervenção, a retomada dos trabalhos no Congresso que dará destaque os temas ligados à segurança pública, será embalada também com o ritmo das votações afetadas pela campanha para as eleições de outubro.




Com: agência da Câmara e Senado Federal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Moro aceita o convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça, mas com base nos 12 pacotes com as novas medidas contra corrupção o STF pode esperar?

O convite aceito pelo Juiz Sérgio Moro para comandar o Ministério da Justiça, vem com um compromisso implícito de tão logo, assim que surgir uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), ser  indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que no ano que vem quer o magistrado em sua equipe. Mas o sim do juiz de Curitiba contradiz  uma decisão já tomada por ele mesmo. E da  própria tese tão defendida. Diante de todo contexto no qual esteve à frente nos últimos anos, aceitar ir para política -  fragiliza ainda mais a imparcialidade já questionada de quem participou de uma operação tão importante. A Lava Jato evidenciou um esquema de corrupção que assola esse país há décadas. Moro que tornou um espécie de garoto propaganda do combate à corrupção,  tem debaixo dos braços o livro que pode ter sido o seu de cabeceira, ou ainda seja, já que ele foi junto ao encontro com o Capitão eleito para os ajustes de sua ida para Brasília.   Trata-se do  livro de 12 pacotes com as novas medidas …

Juiz Sergio Moro condena Lula; mas conjuntos de elementos se sustenta mesmo com depoimento de Léo Pinheiro

A sentença de 9 anos e seis meses de prisão com direito a responder em liberdade, proferida pelo juiz federal Sérgio Moro – que condenou o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira (12), referente ao processo do triplex do Guarujá (SP), demorou menos um ano, desde que o Ministério Público Federal (MPF) ofereceu à denúncia com processo aberto pela Justiça Federal do Paraná (JFPR), no dia 19 de setembro de 2016.
A peça apresentada pelo MPF à Justiça do Federal do Paraná, trouxe uma denúncia de 149 páginas, protocolada também numa quarta-feira, com mais de um terço dedicado à contextualização política (e nota pé sem efeito de denúncia), que foi desde à eleição do petista ao mensalão. O "grande responsável" pelo esquema, centralizado no power point dos procuradores da Lava Jato, elaborado para explicar os motivos da grave  denúncia -- ganhou notoriedade também nas críticas pelo tom político que também foi à coletiva.
O contexto para justificar o paga…

Diplomação de Zema, e demais eleitos por Minas é suspensa após briga com socos entre deputados

A diplomação dos eleitos em Minas Gerais nesta quarta-feira  (19), foi marcada por confusão. Deputados partiram para agressão quando estavam sendo chamados para receber os certificados. A troca de socos foi entre os deputados federais Rogério Corrêa (PT) e Cabo Junio Amaral (PSL). A briga começou após o parlamentar petista erguer uma placa com os dizeres "Lula Livre". 
Na tarde de hoje, o ministro Marco Aurélio Mello do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a soltura de todos os presos condenados em 2¤ Istância de justiça.  A defesa do ex-presidente Lula; preso em Curitiba numa condenação pela Lava Jato, chegou a entrar com um pedido de soltura na 12¤ Vara Federal do Paraná. Mas no início da noite, o presidente do Suprema Corte,  Dias Tofolli, derrubou a decisão do ministro em caráter liminar. Pelo pedido temporario, a decisão de Mello fica suspensa "até o colegiado maior aprecie a matéria de forma definida, já pautada para o dia 10 de abril  do próximo ano judici…