Pular para o conteúdo principal

Empresas e entidades são autorizadas para o trabalho de arrecadação virtual, veja quais já foram escolhidas pelo TSE

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux , definiu as 10 primeiras empresas  que poderão prestar o serviço de financiamento coletivo de campanhas eleitorais, chamado crowdfunding para eleições de 2018. É a primeira vez na história que empresas e entidades são autorizadas com atuação em campanhas. E o cadastramento começou no último dia 30 com arrecadação autorizada a partir de 15 de maio. Já a liberação de valores arrecadados aos pré-candidatos segue uma determinação rígida do TSE, com acesso após cumprirem os requisitos definidos na norma do tribunal. A nova legislação eleitoral abriu a possibilidade de candidatos obterem o financiamento coletivo na internet para as suas campanhas.
As empresas já autorizadas são:
Alumiar Consultre;
Anjosolidario.Com;
Associação Doação Legal;
Cbs Tecnologia;
Confia Brasil;
E.D.Intermediação De Serviços De Informática;
Goia Serviços Digitais;
Pmo Consultoria De Projetos;
Relatasoft Desenvolvimento De Sistemas;
Vakinha.Com;

Outras 29 empresas ainda aguardam a análise do TSE. 

O modelo de financiamento eleitoral sempre foi tema de grande debate. Em 2015, o Supremo Tribunal Federal (STF), entendeu que com as regras da atual legislação, as contribuições empresariais em eleições perderam a validade. Com isso, por 8 votos a 3 na época, foi declarado inconstitucionais as normas que permitem a empresas doar para campanhas eleitorais pelos ministros. Quando o projeto de reforma política entrou em vigor, fixando o limites de custos de campanha e regulamentando a distribuição do fundo eleitoral, essas críticas aumentaram. A decisão da Suprema Corte porém, não proibiu que pessoas físicas doem às campanhas. Pela lei, cada indivíduo pode contribuir com até 10% de seu rendimento no ano anterior ao pleito.
O dinheiro do fundo eleitoral é público, mas impõem limite de gastos para campanhas de candidatos a presidente, governador, senador e deputado. E nas eleições deste ano será a primeira vez que os candidatos usarão este tipo de recurso. As fontes desse fundo tem  30% do total das emendas parlamentares de bancada constantes da Lei Orçamentária Anual. E o abastecimento em ano eleitoral. O outro montante vem da isenção fiscal das emissoras comerciais de rádio e TV com a propaganda partidária, exibida fora do período eleitoral e que será extinta. Seria então em 2016 e 2017. O valor estimado do fundo eleitoral fica em torno de R$ 1,7 bilhão. 

Veja como fica a distribuição no gráfico




  • 15% para partidos com proporção do número de senadores em 28/08/2017
  • 2% divididos para os 35 partidos de todo o país
  • 35% para legendas com pelo menos um representante na Câmara dos Deputados
  • 48% na proporção do número de deputados na Câmara em 28 08 2017




Uma lembrança importante sobre as emendas de bancada. As indicações são feitas pelos parlamentares de um estado para aplicação de recursos em obras e serviços no estado de origem desse parlamentar. E que os parlamentares não mexeram na proibição – imposta pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2015 – de doações de pessoas jurídicas a campanhas políticas. As empresas permanecem sem poder contribuir para as campanhas.



Capítulo anterior no TSE
Com o ano eleitoral em vigor o último capítulo dessa história foi a publicação da resolução 23.533 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que definiu que um candidato poderá financiar toda sua campanha nas eleições deste ano com recursos próprios. Essa resolução foi aprovada em dezembro pelo plenário com a curta passagem do novo presidente da Corte, o ministro Luiz Fux. Na publicação do "Diário da Justiça Eletrônico" no início do ano, ele relatou que a norma diz que "o candidato poderá usar recursos próprios em sua campanha até o limite de gastos estabelecido para o cargo ao qual concorre". 

Os limites em 2018 serão os seguintes, segundo o TSE:
Presidente da República - R$ 70 milhões 
Governador:de acordo número de eleitores do estado - R$ 2,8 milhões a R$ 21 milhões 
Senador: de acordo com o número de eleitores do estado - R$ 2,5 milhões a R$ 5,6 milhões 
Deputado Federal: R$ 2,5 milhões 










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Moro aceita o convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça, mas com base nos 12 pacotes com as novas medidas contra corrupção o STF pode esperar?

O convite aceito pelo Juiz Sérgio Moro para comandar o Ministério da Justiça, vem com um compromisso implícito de tão logo, assim que surgir uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), ser  indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que no ano que vem quer o magistrado em sua equipe. Mas o sim do juiz de Curitiba contradiz  uma decisão já tomada por ele mesmo. E da  própria tese tão defendida. Diante de todo contexto no qual esteve à frente nos últimos anos, aceitar ir para política -  fragiliza ainda mais a imparcialidade já questionada de quem participou de uma operação tão importante. A Lava Jato evidenciou um esquema de corrupção que assola esse país há décadas. Moro que tornou um espécie de garoto propaganda do combate à corrupção,  tem debaixo dos braços o livro que pode ter sido o seu de cabeceira, ou ainda seja, já que ele foi junto ao encontro com o Capitão eleito para os ajustes de sua ida para Brasília.   Trata-se do  livro de 12 pacotes com as novas medidas …

Juiz Sergio Moro condena Lula; mas conjuntos de elementos se sustenta mesmo com depoimento de Léo Pinheiro

A sentença de 9 anos e seis meses de prisão com direito a responder em liberdade, proferida pelo juiz federal Sérgio Moro – que condenou o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira (12), referente ao processo do triplex do Guarujá (SP), demorou menos um ano, desde que o Ministério Público Federal (MPF) ofereceu à denúncia com processo aberto pela Justiça Federal do Paraná (JFPR), no dia 19 de setembro de 2016.
A peça apresentada pelo MPF à Justiça do Federal do Paraná, trouxe uma denúncia de 149 páginas, protocolada também numa quarta-feira, com mais de um terço dedicado à contextualização política (e nota pé sem efeito de denúncia), que foi desde à eleição do petista ao mensalão. O "grande responsável" pelo esquema, centralizado no power point dos procuradores da Lava Jato, elaborado para explicar os motivos da grave  denúncia -- ganhou notoriedade também nas críticas pelo tom político que também foi à coletiva.
O contexto para justificar o paga…

Diplomação de Zema, e demais eleitos por Minas é suspensa após briga com socos entre deputados

A diplomação dos eleitos em Minas Gerais nesta quarta-feira  (19), foi marcada por confusão. Deputados partiram para agressão quando estavam sendo chamados para receber os certificados. A troca de socos foi entre os deputados federais Rogério Corrêa (PT) e Cabo Junio Amaral (PSL). A briga começou após o parlamentar petista erguer uma placa com os dizeres "Lula Livre". 
Na tarde de hoje, o ministro Marco Aurélio Mello do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a soltura de todos os presos condenados em 2¤ Istância de justiça.  A defesa do ex-presidente Lula; preso em Curitiba numa condenação pela Lava Jato, chegou a entrar com um pedido de soltura na 12¤ Vara Federal do Paraná. Mas no início da noite, o presidente do Suprema Corte,  Dias Tofolli, derrubou a decisão do ministro em caráter liminar. Pelo pedido temporario, a decisão de Mello fica suspensa "até o colegiado maior aprecie a matéria de forma definida, já pautada para o dia 10 de abril  do próximo ano judici…