Pular para o conteúdo principal

Tramitação da segunda denúncia da PGR contra o presidente Temer na Câmara com ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco pode ser fatiada; CCJ cogita esclarecimentos do STF já que eles não respondem por obstrução á justiça



A segunda denúncia oferecida pelo ex- procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer — por organização criminosa e obstrução à Justiça — segue no impasse para iniciar a tramitação na Câmara dos Deputados. O primeiro foi a leitura no plenário que poderia ter ocorrido na sexta-feira passada, mas sem os 51 deputados presentes, quórum mínimo para que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fizesse a leitura o que seria a  notificação ao presidente dando assim início do prazo das 10 sessões para apresentação de argumentos, não ocorreu. O que deve acontecer nesta segunda-feira (25). O presidente Temer já adiantou através de os seus aliados que não irá usar todo o tempo de direito para apresentar sua defesa. Apresentação que  será feita através do novo advogado, Eduardo Pizarro Carnelós, já que o criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira deixou a defesa de Temer alegando “conflito ético” por ter defendido o executivo Lúcio Funaro – delator que intitula  o presidente de envolvimento em esquemas de corrupção e enriquecimento ilícito. A defesa do peemedebista  deve usar o acordo malsucedido da delação da J&F em seus argumentos. 

Um outro impasse é com relação a dois ministros do governo Temer, inclusos no mesmo pedido de investigação da Procuradoria Geral da República (PGR) . Diferentemente da primeira denúncia, que acusava somente o Presidente da República no crime de corrupção passiva, o segundo pedido de Janot abrange os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência). Mas os principais auxiliares do núcleo duro do governo Temer não foram denunciados por obstrução à justiça. 

O artigo 51 da Constituição Federal prevê que a Câmara deve “autorizar, por dois terços de seus membros, (aqui, 513 deputados) a instauração de processo contra o presidente e do vice-presidente da República e ministros de Estado”. Mesmo que a regra não deixe dúvida, a Câmara ainda está em discussão sobre o que será adotado. E como será feito.

A Secretaria Geral da Mesa Diretora chegou a pedir um parecer jurídico para saber se deve ou não fatiar essa tramitação. Tudo indica que não. O próprio presidente da Câmara dos Deputados e alguns parlamentares da base do governo têm dito que não. E todo o processo deve terminar até o final do mês e outubro, mês que vem.  Mas o presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de cidadania (CCJ), Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), disse em entrevista que cogita pedir esclarecimentos do Supremo Tribunal Federal no caso dos dois ministros, por eles não responderem por obstrução à justiça.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Semana curta em Brasília e poderes em atenção no STF e na Câmara que tentam colocar um ponto final em medidas cautelares para os demais

O olhos nesta semana curta em Brasília estão voltados para a Câmara dos Deputados que apresenta o parecer da denúncia contra o presidente Michel Temer e dos ministros, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da presidência), e o Supremo Tribunal Federal, que tem um grau de intensidade a analisar numa pauta de matéria penal sobre uma (ADI) Ação Direta de Inconstitucionalidade com pedido de medida cautelar, ajuizada pelos Partidos Progressista (PP), Social Cristão (PSC) e o Solidariedade (SD), com base dos arts. 312 e 319, caput, do Código de Processo Penal. 
De uma certa forma, os poderes no DF seguem com suas pautas, mas os resultados nas duas  casas,  ditam o rito de parlamentares e do próprio governo. Além do parecer na Câmara, para esta terça-feira (10), os deputados que tiveram sessões no plenário antecipadas devido ao feriado irão analisar entre os itens de pauta, o primeiro turno, de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece uma cota para…

A falta de políticas públicas e as desigualdades ajudam também muitos Antônios a subirem os morros e voltarem como um 'Nem'; vivo ou morto

A matéria é de 2016 e tem como base um personagem da vida real. Ou, vários deles. Está no livro contando a história de um traficante que retrata também como o tráfico abraça aqueles que estão em vulnerabilidade e todos os demais que não têm perspectiva e oportunidade. Podemos inserir neste mundo duas características da sociologia: a coercitividade e exterioridade que é praticada no mundo do tráfico muito bem. E com a ausência de políticas públicas e educação a 'influência coercitiva' se prolifera. 
A história do Antônio o 'Nem da Rocinha' se confunde com a de tantos jovens que se perdem no mundo do tráfico pelas mazelas da estratificação social. Fenômeno de várias proeminências. Não se faz aqui uma justificativa da escolha errada. Mas sim, a de como as provocações do cotidiano desses jovens no convite diário para trilhar esse caminho fatal, têm empurrões cada vez mais fortes. Os números estão aí para contextualizar. Os fatos sociais deste século justificam então o pa…

Operação "Tesouro Perdido" deflagrada pela PF revela a maior apreensão de dinheiro em espécie da história do Brasil, valor total foi de 51 milhões, atribuído a ex-ministro Geddel

A operação deflagrada pela Polícia Federal ontem (5), após dados coletados nas últimas fases da Operação "Cui Bono", (terceira nesta fase e braço da Lava-Jato) que investiga desvios na Caixa Econômica Federal,  revelou a maior quantia em espécie já apreendida na história do Brasil. Foram  mais de 15 horas contabilizando as cifras, com o valor final  vindo  à tona já na madrugada desta quarta-feira (6), num total de: R$ 51.030,866, 40. (cinquenta e um milhões, trinta mil, oitocentos e sessenta e seis reais e quarenta centavos). Sendo: R$ 42.643,500,00 (Quarenta e dois milhões, seiscentos e quarenta e três mil e quinhentos reais) e US$ 2.688, 000,00 (dois milhões, seiscentos e oitenta e oito mil dólares americanos). 

As cifras milionárias em espécie  foram atribuídas ao ex-ministro, Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) na terceira fase da operação. O dinheiro vivo   estava escondido  em um apartamento em area nobre de Salvador, no bairro da Graça, acoplados em  oito malas e seis caixas…